Futsal feminino é decidido nos pênaltis, com muita emoção
Fotos: Manoel Lima / Seduc
Por Philipe Bastos / Seduc editado por Maciel
As medalhistas do futsal feminino dos Jogos Estudantis do Tocantins foram definidos da mesma maneira, por pênaltis. Em dois jogos bastante disputados, em que os destaques ficaram com as goleiras, e que acabaram empatados no tempo regulamentar, as equipes da Escola Estadual João Ayres Gabriel (Palmeirante), da Escola de Tempo Integral Maria da Glória (Tupirama) e do Colégio Estadual Adá Assis Teixeira, de Goiatins ficaram com bronze, prata e ouro, respectivamente. Ao final das partidas, outra coisa em comum: o choro das alunas/atletas pela vitória, ou pela derrota ao final das penalidades.
A final foi cheia de emoção com as duas equipes buscando o gol o tempo todo. O time do Colégio Adá Assis Teixeira foi melhor e conseguiu manter a posse de bola e, com boa troca de passes quase conseguiu abrir o placar sobre a ETI Maria da Glória. No segundo tempo, a equipe de Tupirama se acalmou, colocou a bola no chão e conseguiu equilibrar a partida, quase chegando à meta da goleira Samara Lima Sena.
As goleiras, aliás, foram o destaque nas duas partidas, tanto durante os jogos, quanto nas disputas por pênaltis. Vencedora e com a medalha de ouro no peito, a goleira do Colégio Estadual Adá Assis Teixeira não conseguiu conter as lágrimas e teve que se esforçar para dar entrevista. “Este jogo hoje foi de muita responsabilidade. Nós treinamos muito durante este período e a sensação é de alívio, de dever cumprido. Agora é nos prepararmos para a nacional”, disse a estudante de 14 anos que irá representar, com sua equipe, o Tocantins nos Jogos Escolares da Juventude, em Londrina – PR.
Outro destaque do time, a ala Kaliane Andrade Araújo ouviu seu nome gritado pelo treinador durante quase todo o primeiro tempo, cobrando mais empenho na marcação e no posicionamento em quadra. Como resultado, ela conseguiu melhorar seu jogo e ser responsável por algumas das tabelinhas que quase levaram ao gol do time de Goiatins. “Fomos muito bem no primeiro tempo e eu saio satisfeita com o resultado”, destacou.
Já o professor Antônio Carneiro era o orgulho em pessoa depois da defesa que deu o título dos Jets à equipe de sua escola. Ali, em quadra para ele, foi a realização de meio ano de trabalho duro junto às alunas. “Fica uma sensação de dever cumprido depois de seis meses de trabalho, treinamentos e muita dedicação destas meninas”, frisou. A meta agora, segundo ele, é intensificar ainda mais os trabalhos para preparar a o time para os jogos nacionais. “A partir de agora vamos pegar firme nos treinos e na preparação física”.
Prata e bronze
Se de um lado as lágrimas eram de alegria, do outro eram de tristeza por ter deixado o ouro escapar por muito pouco. Mesmo sem se abater, a goleira e capitã da equipe da ETI Maria da Glória, Rayliany Alves de Sá, um dos destaques do time, comentou a partida. “Fomos bem e faltou pouco para conseguirmos. Consegui pegar uns pênaltis, mas deixei passar dois e perdemos. Foi muito tempo de treinamento e esforço”, completou.
Com uma feição mais animada após ter sido a heroína na conquista do bronze, a pequena goleira do time da Escola Estadual João Ayres Gabriel, Giovana Sousa Nunes, de 13 anos, era só orgulho depois da vitória. “É um orgulho muito grande. Foram 3 meses de treinamento e preparação para os jogos e agora conseguimos uma medalha”.


Destaque do time, a goleira Samara Lima Sena fechou o gol e garantiu a medalha de ouro para Goiatins


Também jogadora da Adá Assis Teixeira, Kaliane disse que a expectativa pelos jogos nacionais é grande


O professor Antônio Carneiro pretende intensificar os treinamentos visando os Jogos Escolares da Juventude


A goleira do time da ETI Maria da Glória, Rayliny destacou o esforço de todo o time durante os treinamentos


Giovana, do time da Escola Estadual João Ayres Gabriel, garantiu i bronze para o time ao defender os chutes adversários


Jogos disputados marcaram as finais do futsal feminino dos Jets, que foram decididos nos pênaltis